CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  Friday, 22 de June de 2018
 
3 de October de 2017 - 14h39

Alunos da UFMS criticam higiene das instalações sanitárias

Empresa responsável pela manutenção e limpeza da UFMS descumpre as exigências do edital

CLAYTON AMBROSIO, ESTEVAN OELKE E VITOR ILIS
Banheiro da FAALC tem o piso sujo e falta de itens de higieneBanheiro da FAALC tem o piso sujo e falta de itens de higiene  (Foto: Clayton Ambrosio)

Os alunos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) reclamam da falta de higine adequada nos banheiros do campus de Campo Grande. Nas instalações sanitárias faltam equipamentos e materiais de higiene suficiente para atender a demanda diária. Segundo o chefe da Coordenadoria de Serviços (CSV), Nilton Conde Torres, responsável pela fiscalização da empresa terceirizada que presta o serviço de limpeza e manutenção na UFMS, a Plansul, o serviço de limpeza é realizado conforme as normas sanitárias. O médico e professor da Faculdade de Medicina, Joaquim Longo destaca que a falta de acesso à higiene adequada coloca em risco a saúde das pessoas.

O presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Ari Ferra Júnior afirma que diariamente circulam aproximadamente 10 mil alunos e que deveriam ter acesso mínimo de higiene nos banheiros para utilização e não haver o risco de contaminação. Segundo ele, faltam assentos nos vasos sanitários, sabonete, papel toalha e o papel higiênico está fora do padrão previsto no edital. ”Tem estudantes que passam o dia inteiro aqui, chegam bem cedo e vão embora bem tarde da noite, colocando muita energia e qualidade do seu tempo na universidade, e é deplorável e inadmissível que a administração e a empresa que é encarregada disso não deem esse acesso”.

O chefe da CSV, Nilton Conde Torres afirma que todos os banheiros passam por limpeza e manutenções diárias, monitoradas por equipes de verificação. Além da limpeza e manutenção, há reposição dos materiais de higiene. ”Não há registros de situações de risco ou risco de contaminação nas dependências das diferentes unidades da UFMS”.

Plansul, empresa responsável pela manutenção e limpeza do campus de Campo Grande da UFMS, informou, por meio de sua assessora jurídica, Gisele de Souza Pes que a empresa cumpre o contrato 05/2017 firmado com a UFMS referente ao edital do Pregão Eletrônico 01/2017.

Banheiro da Unidade 6 da UFMS (Foto: Clayton Ambrosio)

A estudante de biologia, Suziele Galdino destacou que na unidade seis o banheiro feminino não possui sabonete líquido e que falta papel higiênico e papel toalha. ”A higiene do banheiro no período noturno é péssima, já passou o período matutino e vespertino e não tem o recolhimento do lixo”.

Segundo o fiscal da vigilância sanitária municipal, Antônio Carlos dos Reis Cardoso todos os banheiros em estabelecimento de ensino devem seguir a Norma de Regulamentação 24 do Ministério do Trabalho, que regulamenta as condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho. “Todos os vasos sanitários devem possuir tampas e não podem ter vazamentos, e em seu box deve ter papel higiênico, e para higienizar as mãos deve ter uma pia com torneira de uso acessível a todos, sabonete liquido e papel toalha para secar“.

O médico e professor da UFMS, Joaquim Longo ressalva que a reclamação dos alunos é um caso de grave risco de contaminação. O banheiro que não possui os equipamentos e produtos para higiene adequada, causa contaminação e põe o risco a transmissão de doenças como a hepatite A, gripe, rota vírus, entre outras transmitidas por contaminação das mãos. ”A maioria das infecções hospitalares era através das mãos, e só quando descobriu que era fundamental uma higiene adequada no centro cirúrgico, foi que diminuiu as infecções”.

Longo reitera que a contaminação não é só no banheiro, acontece no ônibus, no celular, na maçaneta, no dinheiro e em qualquer lugar onde as pessoas usam as mãos. ”O hábito de higienizar as mãos tem que ser diário e sempre que usá-la para pegar algo ou colocá-la em algum equipamento utilizado por várias pessoas”. O médico diz que a higienização não pode ficar restrita ao álcool em gel, deve ser usado sabão ou sabonete com água, e após enxaguar as mãos, secar com papel. Se enxugar na roupa as mãos se contaminam.

 

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2018 Primeira Notícia