CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  Sunday, 22 de April de 2018
 
7 de October de 2017 - 14h14

Centro de Controle de Zoonozes de Campo Grande implanta microchip em animais castrados

CCZ de Campo Grande começa a implantar obrigatoriamente microchips no valor de R$15,00 em animais durante a castração

FERNANDA SANDOVAL, LORRAYNA FARIAS E TALITA OLIVEIRA
Os animais castrados são devolvidos no dia seguinte.Os animais castrados são devolvidos no dia seguinte.  (Foto: Talita Oliveira)

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Campo Grande começou a inserir microchips nos animais castrados no local a partir de setembro. O mecanismo serve como um registro geral e contém informações como idade e raça do animal. Ele também informa o endereço do responsável e os dados podem ser acessados por meio de um leitor específico para o equipamento.

   Os remédios são oferecidos pelo CCZ
   (Foto: Talita Oliveira) 

O microchip possibilita a identificação do dono do gato ou cachorro em caso de fuga, roubo ou abandono. Segundo a médica veterinária do Centro de Controle de Zoonozes, Maria Aparecida Cunha são disponibilizadas em média 500 vagas mensalmente. O agendamento é feito todo dia 20 do mês ou no primeiro dia útil seguinte. A prioridade é a castração de gatos, cães adotados no local também podem ser castrados no CCZ. 

Maria Cunha aconselha que o dono do animal procure o CCZ “sempre que precisar de alguma orientação ou para tirar alguma dúvida. A gente recomenda ligar e conversar com um médico veterinário que esteja disponível”.

A acadêmica do curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Suzane Grego Lacerda levou a gata dela para castração em 2015. “Tivemos que agendar e ficamos em uma fila de uns dois meses”.  A gata foi levada para casa após a liberação do CCZ e os cuidados foram feitos por Suzane Lacerda e sua mãe. “A veterinária explicou tudo certinho quando minha mãe buscou ela [a gata] e não foi difícil realizar os cuidados”.

A médica veterinária do Hospital Veterinário da UFMS, Beatriz Crepaldi ressalta que “tem vários tumores que a gente previne com a castração, quanto mais cedo for feita”. Segundo ela, essa é uma das formas de “prevenir essa população [de animais abandonados] tão grande que a gente tem em Campo Grande e de difícil controle”.

A acadêmica do curso de Medicina Veterinária da UFMS, Caroline Pires também possui um gato castrado no CCZ, antes da implantação do microchip. “Eu acho a ideia dos chips válida, se não houver nenhuma mudança ou incomodo no animal”.

Voluntários protetores de animais não podem arcar com os custos da implantação do microchip. A jornalista Raquel de Souza Jeronymo mediou a castração de 65 gatos desde o ano passado no CCZ e desaprova a obrigatoridade do microchip. "O serviço [do CCZ] é muito bom mesmo, mas eu não posso assumir esse gasto sozinha".

Serviço

O CCZ está localizado na Av. Senador Felinto Muller, número 1601, Vila Ipiranga. Telefone: (67) 3314-5000.

Hospital Veterinário da UFMS
Av. Senador Felinto Muller, 2443. Telefone: (67) 3345-3610.

 

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2018 Primeira Notícia