CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  terça, 24 de outubro de 2017
 
11 de setembro de 2017 - 10h51

Mês da prevenção mundial ao suicídio incentiva campanhas na UFMS

O Setembro Amarelo reforça a importância das ações e debates sobre a prevenção ao suicídio e a valorização da vida

FERNANDA SANDOVAL, LORRAYNA FARIAS E TALITA OLIVEIRA
Participação de aluno na campanha da LASME para o Setembro AmareloParticipação de aluno na campanha da LASME para o Setembro Amarelo  (Foto: Lorrayna Farias)

A campanha Setembro Amarelo acontece neste mês e promove palestras, debates e ações de conscientização sobre o suicídio. A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul possui um serviço de acompanhamento psicológico oferecido pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAES) para os acadêmicos, e pelo Programa de Assistência à Saúde da UFMS (PAS) para servidores. De acordo com uma estatística publicada pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (Sejusp), até o mês de agosto ocorreram 124 suicídios no estado. Segundo o Mapa da Violência de 2014, Campo Grande é a capital com a quarta maior taxa de suicídios entre jovens no país.

A psicóloga responsável pelo atendimento na PROAES, Ana Lucia Martins de Souza, trabalha na Divisão de Saúde e Alimentação Estudantil desde 2008. O aluno que tem interesse pelo acompanhamento psicológico deve contatar a Divisão. Suas informações são adicionados a uma lista de espera e, conforme a disponibilidade de agenda da psicóloga, o aluno é chamado para uma triagem que determinará a gravidade da situação.

Ana de Souza relata que campanhas como essa são fundamentais para que o tema seja discutido e para ressaltar a importância do apoio da família. "O estigma da loucura é um empecilho para a procura de auxílio psicológico para muitas pessoas". Neste semestre, a Divisão de Saúde e Alimentação Estudantil realiza ações de atendimento em grupo a partir dos diagnósticos feitos nas triagens; com temas direcionados, como redução de ansiedade e saúde mental na vida acadêmica. Por semestre são realizados cerca de 400 atendimentos psicológicos aos estudantes.

   O PAS atende servidores e dependentes (Foto: Lorrayna Farias)

 A chefe da Seção de Atenção à Saúde, Acessibilidade e Ações Afirmativas (SESAA) na Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEP) da UFMS, a psicóloga Laura Silva explica que o PAS e o PROGEP realizam as campanhas de saúde como o Julho Amarelo, campanha contra as hepatites virais, o Agosto Azul em prol da saúde do homem e o Setembro Amarelo, para prevenção ao suicídio e a valorização da vida. 

A equipe do PAS irá realizar, na semana do dia 25 a 29 de setembro, um debate sobre a saúde mental na rotina de trabalho para os servidores da UFMS. O objetivo é criar um espaço de acolhimento e discussões. No dia seis de outubro acontece outro evento da campanha. A psicóloga Karina Okajima Fukumitsu, que realiza pesquisas sobre suicídio, palestra sobre o tema.  

A equipe da Liga Acadêmica de Saúde Mental em Enfermagem (Lasme), em parceria com a PROAES, promoveu ações para os acadêmicos no Restaurante Universitário e na Biblioteca Cental da UFMS. Além disso, cartazes foram fixados em outros pontos do campus com frases de incentivo e com a pergunta "O que te motiva a viver?". A participante do projeto, Aline Gasparetto, 24, relata que o principal objetivo das ações é falar sobre o valor da vida, "do quanto os dias difíceis virão e que, apesar de tudo, sempre valerá a pena viver".

   Arianny Souza destaca a importância de ouvir (Foto:Fernada Sandoval)

A estudante de enfermagem, Arianny Souza teve depressão diagnosticada aos três anos de idade. Hoje, aos 20, ela afirma haver uma dificuldade em expressar seus sentimentos. "As pessoas não dão espaço, não dão liberdade. Quando a gente mostra um pouco do que sente, falam que é frescura ou bobagem. A família é essencial. É ela que está ali sempre. Você tem que se sentir acolhido, amado e importante".

Segundo o vice-presidente da Associação Sul-mato-grossense de prevenção ao suicídio, Roberto Sinai, que atua na prevenção do ato suicida desde 1998, permitir que a pessoa fale é essencial. “Ninguém quer se matar, ninguém quer morrer, o que as pessoas querem é se livrar do sofrimento. E quando ela diz que vai se matar, por mais desesperada que ela esteja, ainda quer ser ouvida”. 

Serviço

A partir do mês de outubro, o Centro de Valorização da Vida (CVV) passa a atender gratuitamente as ligações realizadas em Mato Grosso do Sul no número 188.

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2017 Primeira Notícia