Campo Grande23º MIN30º MAX

Projeto Escola Pau Brasil forma jovens em marcenaria

, de Campo Grande22/07/2013 - 15h30
Compartilhe:

O Projeto Escola Pau Brasil criado pelo arquiteto suíço, mestre em marcenaria e presidente da GIRA Solidário Suíça, Alfred Lei parceiro da GIRA Solidário Brasil, oferece aulas para crianças de escola pública e em situação de risco, ela se faz presente quando uma criança ou adolescente está com seus direitos fundamentais violados ou ameaçados de lesão. O curso com aulas de marcenaria, design de móveis e empreendedorismo tem duração de três anos, com 24 horas semanais de aulas práticas e oito horas de teoria.  A cada semestre começa uma turma de seis alunos, entre 17 e 20 anos, e entre a estrutura curricular  de ensino complementar estão aulas de cidadania, português e matemática.

[caption id="" align="aligncenter" width="800"] Estudantes do Projeto Escola Pau Brasil treinam técnicas estudadas em sala de aula. Foto: Priscila Ribeiro.[/caption]

Alfred Lei colabora há seis anos, fica seis meses no país anualmente e executa  o projeto, “Salário para mim não importa, minha inspiração são os alunos, se eles estão felizes eu também estou”, explica. A GIRA Solidário é uma Organização Não Governamental (ONG) criada pelo fotógrafo formado em publicidade e marketing, Stephan Hofmann, que veio da Suíça para trabalhar pela ONG no Brasil. Seu objetivo é contribuir para a transformação social de crianças e adolescentes por meio de cursos de formação profissional, cidadania e comunicação entre seus alunos.

 Todos os recursos utilizados vem da Suíça, a maior dificuldade que o projeto enfrenta é encontrar colaboradores, não existe subsídio do governo brasileiro ou política pública para apoiar a ação.  Todo o maquinário utilizado nas aulas foi doado por empresas da Europa. No envio para o Brasil, essas máquinas ficaram detidas por dois anos na âlfandega, pois o governo queria cobrar impostos pela doação.

Os móveis criados tem design moderno e sustentável, são feitos de madeira de reflorestamento e sem o uso de pregos ou parafusos. Assinados por Stephan e Fredi Lei, a marca recebeu o nome de Trendo e a venda destes produtos tem o objetivo de tornar o projeto autossustentável. A concepção de todos estes elementos juntos demonstram que o projeto é embasado na  Economia Solidária.

[caption id="" align="aligncenter" width="800"] Móveis produzidos pelos alunos englobam a coleção da marca Trendo. Foto Priscila Ribeiro.[/caption]

A Economia Solidária foi tema de uma audiência pública realizada no dia 21 de junho no auditório Edroim Reverdito da Câmara Municipal de Campo Grande. O objetivo da audiência foi descobrir as necessidades e demandas de entidades como a GIRA Solidário além de cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis, artesãos, clube de mães, associações de moradores de bairros, empresas e o poder público, por meio de suas secretarias e fundações.

Jonaci Silva Moreira, 23 anos, fez parte da primeira turma, de 2007 a 2009, diz se lembrar de técnicas que aprendeu no inicio e que usa até hoje. “Acreditava que seria mais um curso e que não iria pra frente, mas hoje eu tenho um futuro”, comenta.

Assista ao vídeo institucional do projeto no link a seguir: http://youtu.be/LaakqFwB4Y8 Repórter: Jean Codas Fotos: Priscila Ribeiro Editor: Everson Tavares

Compartilhe:

Deixe seu Comentário

Leia Também