CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  Sunday, 22 de April de 2018
 
21 de May de 2014 - 16h53

Intercom Centro-Oeste abordou tema Guerra e Paz neste ano

Palestra de abertura do congresso teve participação de Carlos Monforte

YASMIN REZENDE
Palestrantes da noite de abertura do Congresso, Carlos Monforte e Juarez Ferraz.Palestrantes da noite de abertura do Congresso, Carlos Monforte e Juarez Ferraz.  (Foto: Yasmin Rezende)

O 16º Congresso de Ciências da Comunicação da Região Centro-Oeste (Intercom Centro-Oeste), abordou como tema geral "Comunicação: guerra & paz". O objetivo foi promover discussões à respeito dos cem anos da Primeira Guerra Mundial e dos 150 anos da Guerra do Paraguai e como esses eventos provocaram mudanças nas práticas da comunicação. O evento ocorreu entre os dias 8 e 10 de maio, em Águas Claras, Distrito Federal, promovido pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

A abertura teve apresentação da banda brasiliense Tons de Clichê, em seguida palestras  ministradas pelo coordenador e apresentador da GloboNews, Brasília, Carlos Monforte e pelo professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Juarez Ferraz. Os palestrantes falaram sobre as manifestações ocorridas no mês de junho de 2013, comparadas com o movimento Diretas Já ocorrida entre 1983 e 1984.

O professor Juarez Ferraz falou sobre a influência dos protestos internacionais durante as Jornadas de Junho." O primeiro erro, é a mania que os brasileiro têm de comparar seus problemas políticos com os demais países, esse ponto de partida já desvia o real foco de uma manifestação. Cada nação tem sua necessidade específica, e também reivindicações diferentes, eles por exemplo, queriam mudanças ditatoriais e nas eleições, quase uma reforma e nós lutávamos por questões básicas".

O jornalista Carlos Monforte. Foto: Daniel Mangueira.Carlos Monforte (foto) comentou durante a palestra questões sobre o cenário político atual do Brasil. "As manifestações brasileiras não tinham um foco em comum, as várias reivindicações atrapalharam o andamento dos protestos. No Brasil, aquela liturgia sobre corrupção e questões salariais foram os assuntos que mais tomaram corpo. Nós já tivemos sucesso, já tivemos a primavera, nas Diretas Já e na derrubada do Collor, por exemplo. Essa onda de reivindicações só provocou quebra-quebra dessa vez".

O aluno de Jornalismo da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Michel Lorãn, que participou do evento, comentou que ficou entusiasmado com o debate proposto na palestra. “Gosto muito desse tema, e acho que correspondeu bastante com o que o País passa no momento. As Jornadas de Junho, foram um marco para a nossa história, e trouxe várias discussões para o povo, acho que depois desse período mudamos sim”.

 

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2018 Primeira Notícia