CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  quarta, 22 de novembro de 2017
 
25 de fevereiro de 2016 - 00h31

Morte reforça a necessidade de exames médicos nas academias

Especialistas da saúde destacam a importância da avaliação médica e afirmam que ela é indispensável para que uma pessoa inicie a prática de exercícios físicos

ISABELA DOMINGUES E LAURA FAGUNDES
Gustavo e seu personal Danilo RodriguesGustavo e seu personal Danilo Rodrigues  (Foto: Acervo pessoal Gustavo Costa)

A morte do moçambicano Nuno José Lamela, em fevereiro deste ano, na Academia Smart Fit mostrou a necessidade do exame médico prévio para a prática de exercícios físicos. Lamela faleceu por parada cardíaca depois de iniciar as atividades. De acordo com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Lamela era obeso e tinha histórico de problemas cardíacos.

Segundo a educadora física Ana Luiza Sthurk, sem a avaliação pré-participação (APP) será difícil avaliar o aluno e saber qual tipo de atividade e intensidade é melhor para o seu corpo.“Por falta de monitoramento profissional, o exercício que praticado corretamente simboliza saúde, nesse caso pode simbolizar risco quando praticado intensamente forçando os limites do corpo”.

Ana Luiza Sthurk acrescenta que a busca pelo corpo ideal faz com que muitas pessoas realizem dietas e comprem suplementos alimentares.“Porém nem todas têm um acompanhamento de um nutricionista ou um personal trainer, e o que deveria ajudar às vezes prejudica”.

A secretária da Academia Smart Fit, Isadora de Oliveira, afirma que antes do aluno começar a fazer qualquer atividade física, toda academia é obrigada a solicitar um atestado médico, e em seguida o aluno assinará um termo de responsabilidade. “Não é qualquer um que pode fazer academia. É obrigatória a apresentação do atestado médico e há restrições sobre ele, o que já é um fato que barra”.

Isadora de Oliveira também relata que aconteceu do aluno passar mal durante algum exercício. “Um dia um aluno teve uma queda de pressão, o professor daqui ofereceu os primeiros socorros, e depois que ele estabilizou, preencheu um questionário informando o ocorrido, horário e a data.”

A vendedora Emilly Borges explica que sua academia nunca exigiu ou solicitou qualquer tipo de avaliação. “Já malhei em duas academias diferente de Campo Grande e nenhuma delas solicitou algum tipo de avaliação ou exame. O máximo que fizeram foi perguntar se eu tinha alguma doença cardíaca”. A estudante de engenharia ambiental, Izabella Melo diz que antes de se matricular fez uma pesquisa entre academias. “Acho importante receber uma orientação antes de começar a me exercitar, por isso escolhi a academia que oferecia uma avaliação antes de estabelecer meu treino”.

Segundo Ana Luiza Sthurk, a avaliação física é o momento em que o profissional poderá averiguar se a pessoa tem algum tipo de dor ou condição física específica para a prática. “O acompanhamento profissional é indispensável para a prática física e a avaliação é onde o instrutor vai descobrir qual o tipo de acompanhamento para aquele aluno e também se ele precisa de algum exame mais específico.”

O fisioterapeuta especializado em esportes, Leonardo Siqueira, explica que os exames são recomendados para quem deseja iniciar qualquer prática esportiva, para conhecer a condição do corpo como uma forma de evitar lesões ou complicações mais graves. De acordo com Siqueira, é comum encontrar pessoas que machucam algum músculo na pratica de exercícios de maneira incorreta ou que possuem problemas musculares que foi agravado com a atividade.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 300 mil pessoas morrem por ano de doenças associadas diretamente ao sedentarismo e esse fato provoca uma maior divulgação da atividade física como forma de melhorar a qualidade de vida e promover a saúde. A OMS realiza campanhas sobre os benefícios que essa prática proporciona ao corpo humano e, principalmente, ao sistema cardiovascular.

Em junho de 2015 o empreendedor Gustavo Costa, foi diagnosticado com hipertensão arterial e desde então resolveu mudar a sua rotina e seus hábitos alimentares. Costa procurou uma nutricionista para auxiliar na nova dieta e, segundo ele, a procura por um profissional da área foi fundamental para obter resultados satisfatórios.

Gustavo Costa também tem acompanhamento de um personal trainer, Danilo Rodrigues, que o auxilia a todo o momento na prática da atividade física. “Quando eu vou para a academia ele fica o tempo todo junto comigo me passando os exercícios corretos, agora que estou frequentando diariamente vejo muita gente fazendo exercícios errados, de qualquer jeito e com pressa, então a procura por esse profissional foi fundamental para eu fazer tudo corretamente e sem risco de lesões ou fraturar músculos”.

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2017 Primeira Notícia