CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  Sunday, 22 de April de 2018
 
16 de October de 2017 - 19h40

Polícia de Trânsito estima que 40% dos condutores dirijam sem carteira de habilitação na capital

Comando do Batalhão de Polícia Militar de Trânsito afirma que mais de 2600 condutores foram flagrados irregulares de janeiro a agosto

MARCELLE MARQUES, DANIEL CATUVER, MARIA PAULA GARCIA
Polícia Militar de Trânsito em uma fiscalizaçãoPolícia Militar de Trânsito em uma fiscalização  (Foto: BPTran)

O Batalhão de Polícia Militar de Trânsito (BPTran) apurou, entre os meses de janeiro e agosto, que 40% dos motoristas em Campo Grande conduzem veículos sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A equipe do BPTran registrou infrações de motoristas desabilitados e com habilitação para dirigir um veículo de determinada categoria e no ato da inspeção conduziam um veículo de outra série. O Tenente Coronel do 17º Batalhão de Trânsito, José Amorim Longatto afirma que, no momento da abordagem, os condutores alegam que preferem poupar dinheiro para adquirir o veículo e, posteriormente, realizar o procedimento para a obtenção da carteira de habilitação. 

Conduzir um veículo sem carteira de habilitação é considerada uma infração gravíssima e gera multa no valor de R$ 880,41. Entre os meses de janeiro e agosto, a equipe do batalhão flagrou mais de 2,6 mil motoristas desabilitados. Longatto afirma que o crescimento da estatística deu-se pela mudança de estratégia na fiscalização.

Longatto afirma que para a Polícia de Trânsito o número era menor. “Não esperava tanto. A gente sabia pelos dados dos anos anteriores que o número estava alto, mas passou da média que a gente tinha”. O Tenente Coronel do 17º BPTran explica que, após o flagrante, o condutor é autuado e a direção do veículo é transferida a alguém habilitado, que esteja com o infrator ou que vá até o local para retirá-lo, caso a possibilidade seja inviável, o veículo é conduzido ao pátio do Detran.

A cabeleireira Jussara Rodrigues dirige há seis anos e dois anos sem Carteira Nacional de Habilitação. Ela explica que a razão foi o alto custo da habilitação.

 A dona de autoescola, Elisa Ferreira afirma que “teve muito aumento e a cada ano aumenta mais o índice de pessoas que circulam sem habilitação”. Segundo ela, a faixa etária que mais conduz veículos sem CNH é menores de 18 anos e a que mais dirige com habilitação vencida é acima dos 60.

A fotógrafa Angel Magalhães dirigiu por oito meses sem a carteira de habilitação. “Eu comprei a moto e não tinha tempo para fazer autoescola. Um amigo me ensinou a pilotar e quando você vai pegando confiança para pilotar, você acha que a autoescola não é mais necessária, como no começo”. Angel Magalhães diz que seus horários eram diferentes dos horários de fiscalização, “nunca fui parada. Eles focam quase sempre nos mesmos horários, em pontos diferentes. A minha sorte era os meus horários serem diferentes dos de pico normal”. Em 2013, Angel Magalhães sofreu um acidente que resultou na amputação de uma perna. O outro motorista estava na contramão de direção. O processo aguarda julgamento e o outro motorista envolvido no caso alega a falta de CNH como defesa.

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2018 Primeira Notícia