CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  domingo, 19 de novembro de 2017
 
18 de dezembro de 2016 - 10h14

Número de vítimas em acidentes nas rodovias federais diminui em Mato Grosso do Sul

Nas rodovias estaduais a quantidade de ocorrências aumentou 5% em relação à 2015

CINTHIA MIGUEIS, LUANA AFONSO E TAYANA VAZ
Polícia Militar e Rodoviária Federal fazem fiscalização na BR-163 para previnir acidentesPolícia Militar e Rodoviária Federal fazem fiscalização na BR-163 para previnir acidentes  (Foto: Tayana Vaz)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Mato Grosso do Sul registrou, de janeiro a novembro de 2016, 135 óbitos em acidentes nas rodovias. Durante o mesmo período em 2015, foram 145 mortes, de acordo com o Núcleo de Comunicação Social da PRF (NUCOM-PRF). A rodovia com maior índice de acidentes graves é a BR-163, com 204 casos neste ano. 

O superintendente regional da Polícia Rodoviária Federal, Luiz Alexandre explica que a principal causa dos acidentes é a imprudência no trânsito. "É a união de vários fatores, ultrapassagem indevida, excesso de velocidade e a falta de respeito da sinalização". De janeiro a novembro de 2016, foram registrados 2264 ocorrências e 469 acidentes graves em todo o estado. 

De acordo com o superintendente, nos últimos cinco anos foi registrado um déficit de R$ 14 bilhões de reais para o Governo Federal em razão dos acidentes causados nas rodovias do país. "A PRF, com o auxílio dos ministérios da Saúde, Transporte e Cidades, lançou a campanha "Rodovida", que será realizada de dezembro a março de 2017, período em que há aumento do trânsito nas estradas. Atuaremos com 22 postos em mais de três mil quilômetros de rodovias federais no estado". Para o superintendente, a educação no trânsito é a solução para alcançar a meta proposta pela Organização das Nações Unidas no Brasil (ONU Brasil), que tem como objetivo reduzir 50% os acidentes de trânsito até 2020. 

Polícia Rodoviária Estadual de Mato Grosso do Sul (PRE) registrou, de janeiro a novembro de 2016, 99 vítimas fatais em rodovias estaduais. Para o tenente-coronel Élcio Almeida, a quantidade de mortes no estado é alta. "Em 2015, registramos 105 mortes e em 2016 já temos um total de 99 antes do final do ano". Em relação à 2015, houve um aumento de 102 vítimas tiveram ferimentos leves em acidentes.

O tenente coronel explica que a rodovia que percorre Chapadão do Sul, a MS 306 e a MS 080 são consideradas as mais perigosas. "O risco da estrada MS 306 é a imprudência dos motoristas, que abusam do excesso de velocidade. Já a MS 080 é pela quantidade de curvas".

Para Almeida, outro problema que prejudica o trajeto dos motoristas nas rodovias é a falta de pavimentação. Dos 15 mil quilômetros de rodovias estaduais, três mil são asfaltados. O tenente-coronel ressalta que a PRE precisa de mais policiais para realizar a fiscalização nas rodovias. "Operamos atualmente com 19 bases espalhadas pelo estado e com 170 militares, enquanto o ideal seria, pelo menos, 400". A Polícia Rodoviária Estadual trabalha com auxilio do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel à Urgência (Samu) para fazer o resgate, além de utilizarem equipamentos como radares móveis e etilômetros na fiscalização.

Campanha Nacional Rodovida

A PRF desenvolve, desde 2011, a "Operação Integrada Rodovida", que começou em todo o país no mês de dezembro e segue até março de 2017. A ação é simultânea em todos os estados brasileiros e tem como objetivo a prevenção e redução de acidentes de trânsito nas rodovias federais durante os feriados de fim de ano, férias escolares e carnaval, quando há aumento do fluxo de veículos. 

Campanha realizada para diminuir acidentes no trânsito na BR-163. Foto: (Tayana Vaz)

Além da fiscalização, são desenvolvidas atividades de educação para o trânsito com objetivo de conscientizar os motoristas sobre os comportamentos de risco. A prioridade é o combate às infrações de trânsito relacionadas ao excesso de velocidade, embriaguez ao volante e ultrapassagens proibidas. A campanha também tem o objetivo de orientar os condutores sobre o uso correto de equipamentos de segurança como o cinto, cadeiras para crianças e capacetes.

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2017 Primeira Notícia