CAMPO GRANDE19º MIN 26º MAX
Primeira Notícia UFMS
  sexta, 22 de setembro de 2017
 
1 de agosto de 2016 - 14h56

Campanha "Agosto Lilás" reforça prevenção à violência contra mulheres

Mapa da violência no Brasil de 2015 mostra que Mato Grosso do Sul é o 9º estado no país em casos de feminicídio

ÁGATHA RODRIGUES, MICHAEL FRANCO, HELTON OLIVEIRA
Subsecretária Luciana Azambuja durante lançamento da Campanha Subsecretária Luciana Azambuja durante lançamento da Campanha "Agosto Lilás"  (Foto: Ágatha Rodrigues)

A Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres (SPPM/MS) realiza, neste mês, a campanha “Agosto Lilás”, com a apresentação de projetos como “Maria da Penha Vai à Escola”, produção e distribuição de material sobre a Lei Maria da Penha para mulheres com deficiência auditiva ou visual e também cartilhas em braile, Guarani e Terena. Mato Grosso do Sul ocupa o 9º lugar do país por mortes violentas de mulheres e a 2ª posição em estupros e tentativas de estupros, de acordo com o Mapa da Violência de 2015.

A Subsecretária de Políticas Públicas para as Mulheres, Luciana Azambuja, afirmou que a prevenção deve ser instrumento suficiente para que nenhum feminicídio ocorra agora em agosto e acredita que o debate massificado, em parceria com diversos órgãos governamentais e não governamentais, provoque reflexão tanto nos agressores quanto nas vítimas. “O objetivo da campanha ‘Agosto Lilás’ é fazer com que o Estado inteiro pense e viva a Lei Maria da Penha”.

Para a estudante de Administração, Thainara Félix, o caminho para a igualdade de gêneros começa na união entre as mulheres de todas as classes sociais e raças. “As mulheres que já estão empoderadas de seus direitos podem buscar políticas públicas para que as outras mulheres também possam se emancipar”. Segundo a estudante, conhecer o feminismo e lutar contra os padrões de beleza impostos pela mídia é o segredo para se livrar cada vez mais do machismo.

De acordo com a professora de Filosofia da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Marta Nunes, desviar a atenção da questão de gênero permite a perpetuação de uma estrutura opressora e desigual. “Devemos continuar a denunciar, a trazer para o campo do visível as contradições dos discursos e das práticas, a problematizar em conjunto”.

Entre as propostas da campanha está a atenção para as minorias, problematização da discussão e visibilização da violência que as mulheres sofrem. A programação do “Agosto Lilás” será publicada toda semana na agenda da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (SEDHAST) na internet e a campanha terá postagens diárias no Facebook da SPPM/MS.

COMENTÁRIOS
 © Copyright 2017 Primeira Notícia